CLIMATÉRIO E MENOPAUSA

Entender nosso corpo e o que acontece com ele ajuda a administrar melhor as mudanças. E as mulheres passam em sua vida por muitas mudanças. A primeira menstruação, a gravidez, o climatério e a menopausa são algumas delas. E cada uma destas fases há particularidades que podem ser vistas como ruins ou boas.

Vamos conhecer um pouco sobre o climatério e a menopausa? Então vamos lá!

O CLIMATÉRIO é o período de transição para a chegada da menopausa. Já a menopausa propriamente dita acontece após 1 ano totalmente sem menstruação.

Durante o climatério podemos observar muitas mudanças físicas e emocionais. Sua duração varia de pessoa para pessoa. Desta forma não há como saber quanto tempo a mulher poderá viver nesta fase. É neste período que começam a ter menstruações irregulares, pode ou não ter os calores seguidos de frio e sudorese (chamamos de fogachos), insônia, irritabilidade, sendo estes os sintomas mais comuns. Neste momento buscar uma ajuda médica pode contribuir para minimizar esses sintomas e melhorar a convivência com essa fase da vida que é fisiológica, ou seja, normal.

A MENOPAUSA ocorre após completar um ano sem menstruação. Este período se inicia e nos acompanha enquanto tivermos vida, podendo ainda apresentar os sintomas que se iniciaram no climatério, mas nem sempre os sintomas irão perdurar todo esse período. No entanto, temos várias opções de tratamento e alívio dos sintomas. A mais simples e com mais benefícios é a atividade física. Outras modalidades de controle dos sintomas são medicações que vão desde as naturais e seguindo uma escala de complexidade até chegar nos tratamentos hormonais.

Nossos estudos e observações mostram que a atividade física, principalmente as que tem um pouco de impacto como musculação e pilates, contribuem muito para a melhora de quase todos esses sintomas acima descritos. Minhas pacientes que fazem desde sempre atividade física regular sentem muito menos a chegada desse momento. Se sentirem algo será com intensidade muito menor do que sentiria caso não praticassem atividade física.

O tratamento medicamentoso, quando necessário, irá depender do desconforto apresentado e seu ginecologista saberá lhe indicar as melhores opções. Após o início do tratamento medicamentoso, caso seja necessário, poderão ser feitas trocas destes medicamentos ou ajustes em dosagens, buscando sempre a melhora na qualidade de vida.

Existem casos de pacientes que apresentam desconfortos localizados, tais como o ressecamento vaginal. Este sintoma pode levar à dor durante na relação sexual, sensações de coceira e ardência na vagina, além de alterações urinárias, como ardência na hora de urinar e, até mesmo, incontinência (perda de urina ao tossir, sorrir ou pular). Neste caso, há soluções mais locais, podendo ser desde um lubrificante vaginal, hormônios locais até o laser vaginal.

Embora o uso do laser vaginal seja um tratamento novo, ele tem mostrado muita eficácia na melhora do retorno da lubrificação vaginal e na elasticidade da pele deste local. Os resultados provenientes destas aplicações são graduais, mas facilmente notados desde as primeiras sessões devido a melhora nas relações sexuais, nos demais sintomas acima relatados e também na estética local.

Mas o resultado do laser não dura para sempre. Novas aplicações de resgate dos resultados podem ser recomendadas, em menor quantidade de seções, quando a mulher sentir que está perdendo a lubrificação e elasticidade. Esta manutenção dos benefícios conquistados pelo tratamento inicial do laser, bem como a resposta ao tratamento varia de paciente para paciente.

O climatério e a menopausa são períodos esperados e fisiológicos que podem vir acompanhados de sintomas que reduzem a qualidade de vida. Mas a evolução da medicina nos traz maneiras de tornar esse período mais agradável e mantendo a qualidade de vida.

Dra Karla Frota

Ginecologia,  Obstetrícia e  Sexualidade

CRM DF  -  16765